A Reanimação de Lovecraft pelas mãos de Juscelino Neco

Conheça a reinvenção de HP Lovecraft pelas mãos do talentoso Juscelino Neco, criador de “Matadouro de Unicórnios”, “Parafusos, Zumbis e Monstros do Espaço” e mais.

“Ninguém pode trazer os mortos de volta”

O conto de HP Lovecraft lançado lá nos idos dos anos 20, não poderia ter sido melhor representado que nessa adaptação gráfica, ou melhor, reinvenção, de Juscelino Neco, autor já conhecido pela enorme habilidade de adicionar uma dose cavalar de perversão aos seus trabalhos. Lançado pela Veneta, ainda em 2020, o livro foi extremamente bem recebido e me foi recomendado por diversos amigos, ainda no final do ano eu adquiri, mas levei um tempo para ler, quando li foi uma porrada bem dada no meio da cara, é eletrizante do começo ao fim.

Na adaptação de Juscelino, vamos conhecer figuras antropomórficas que são levadas ao extremo, consequência dos experimentos do Dr. West. Diferente da versão cinematográfica e do conto original, aqui o Dr. West é um rato que insiste em seus experimentos com os mortos, só que ao invés de apenas reanimar cadáveres, estes voltam a vida com uma insaciável vontade de fazer sexo.

E por falar em sexo, esse é o elo que liga todas as pontas dessa trama, temos um Dr. West que não se reprime sexualmente e tem relações bastante acaloradas com um coelho, enquanto o mesmo pinga cera de vela quente nas suas costas todo vestido em couro. E por ser o que dá vida aos mortos, é óbvio que a arte vai se utilizar em diversos momentos do sexo selvagem e sem tabu para elevar o nível de insanidade. Logo no começo, ao descobrirmos que os experimentos do Dr. West funcionam, seu cúmplice é violentado pelo cadáver de um cachorro morador de rua e recém reanimado, que quando é interrompido pelo Dr., introduz o pênis na boca do mesmo e só é parado quando tem seu crânio esmagado.

“Já viu esses junkies? Cadáveres ambulantes! Um bando de zumbi que mataria a própria mãe por um pico.”

E o que poderia ser mais devastador para um porco que adora reafirmar sua masculinidade fazendo questão de expor sua vida sexual o tempo todo? É claro que uma disfunção erétil. E se ela for oriunda de uma relação (não consensual) com um indivíduo do mesmo sexo? Pior ainda.

Com medo do fracasso sexual, o porco ingere doses do composto que serve também como um potente estimulante sexual, e é aqui que a trama se desenrola e as coisas fogem mais uma vez do controle.

O autor, Juscelino, levou alguns anos para terminar esse trabalho, que começou lá em 2016, e chegou a quase desistir por mais de uma vez. Felizmente isso não aconteceu, temos aqui pouco mais de 150 páginas de um dos melhores trabalhos do fatídico ano de 2020.

A edição toda em preto e branco, possui prefácio escrito por Rafael Campos Rocha (Sim, aquele prefácio que causou o maior “auê” em certos “youtubers” mais tradicionais, por assim dizer), e é a porta de entrada perfeita para o que se segue quadrinho adentro, você pode ler o prefácio agora mesmo através desse link.

Ao final do livro temos uma sequência maravilhosa de pinups de outros artistas, entre eles, Samuel Sajo, Pablo Carranza, Magenta King e Gabriel Dantas.

É possível adquirir o livro na amazon através desse link.

Paulo Cavagnari

Leitor de gibizinho e criador do Tosqueira. Além de falar de gibi nacional por aqui, eu falo de gibi de hominho no Vigilante Atômico, podcast dedicado aos super heróis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *